Filme: CITY DOWN – A história de um diferente


Data de Estréia: 08/12/2011
Ano de lançamento: 2011
Tempo de duração: 91 minutos
Direção: José Mattos e P.C. Nogueira

Vote nesse filme:
4 votes, average: 5,00 out of 54 votes, average: 5,00 out of 54 votes, average: 5,00 out of 54 votes, average: 5,00 out of 54 votes, average: 5,00 out of 5 (4 votos, Média: 20)
Loading...

 

Veja o mundo com outros olhos

Um dia você acorda, levanta, sai à rua. De repente, como um passe de mágica, se dá conta de que tudo está diferente. Diferente de você. Você é o diferente, agora. As pessoas, que exibem outras feições, lhe acham estranho. Não sabem muito bem como lidar ou o que esperar da sua personalidade – pensam isso, aliás, sem saber que a aparência nada tem a ver com personalidade. A partir daí você travará uma batalha contra um forte inimigo: o preconceito. Mas, se quiser, aí vai um segredo: ele é vencível. Pelo menos é nisso que acreditam José Mattos, e Paulo César Nogueira . Através da produtora Cinepel, o trio trabalha agora em um novo filme que trata sobre as diferenças – e como humanizá-las a favor da igualdade.

A situação descrita acima é um convite à imaginação; não é de verdade, obviamente. Mas, para milhares de pessoas, essa é a descrição fiel do cotidiano. Portadores da síndrome de down, cujos traços faciais não escondem a alteração genética, vivem e revivem diariamente a mesma sensação que você tentou experimentar há um minuto, caso tenha se deixado levar pelo convite. É essa inversão de papéis a grande sacada da produção do Cinepel; com um elenco 100%  preenchido com atores down, a trama apresenta as dificuldades enfrentadas por um personagem que nasce sem a síndrome em uma sociedade totalmente down.

A ideia pioneira surgiu de Mattos, de P.C.Nogueira,  assim que expos a proposta. “Eles largaram essa ideia. Disseram: ‘Pensamos em um mundo down, onde o normal é o diferente.  “Agarrei o desafio”. Segundo Mattos, a história é baseada no apego das pessoas aos aspectos visuais. E, por isso, o impacto de ver o mundo ao contrário possa ser ainda maior: “Quem assistir vai se identificar visualmente com o personagem sem a síndrome e, quem sabe, entenda o drama de ser tratado como diferente.”

Elenco especial
Para construir o mundo fictício, a equipe vai convocar um elenco de quase cem pessoas com down. Os protagonistas retratarão uma família com pai, mãe e dois filhos – todos normais, ou seja, portadores da síndrome. Até que uma gravidez inesperada faz nascer um filho diferente, o que causa transtorno dentro de casa. Este núcleo principal foi escalado na terça-feira (2), às 14h, em uma seleção promovida em parceria com a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Pelotas.
No processo de composição de elenco, Nogueira valoriza a presença das famílias no incentivo à participação dos especiais: “Os pais são muito importantes nesse processo. Eles devem dar apoio ao lado artístico. Os Down são, na maioria das vezes, artistas natos. São glamourosos e vaidosos, gostam de aparecer. Para nós será um grande aprendizado”.

A parceria com a Escola de Especiais “AUTONOMIA DO SER” vai além do apoio à seleção de atores. A entidade, representada pela profissional Grace Ferreira, leva seu conhecimento na área para ajudar durante a produção do filme. Depois de pronto, o longa será distribuído a todas as sedes da Apae espalhadas pelo país, assim como entidades relacionadas. O público geral de Pelotas também será contemplado; uma sessão de lançamento já é planejada pela dupla. Junto com o filme, será lançado o roteiro em livro.

A vitória da igualdade
“O preconceito é mais físico do que qualquer outro. Ele começa quando tu olhas e vês alguém que não é como tu”, avalia Mattos, que garante que o foco da história se fixará no tratamento das diferenças – e não na síndrome em si. Para isso, a equipe já faz questão de ressaltar: não se trata de um filme educativo sobre pessoas especiais. Trata, isso sim, das dificuldades enfrentadas pelo incomum.

“A trama terá humor, suspense e drama. Queremos provocar as pessoas. Tentaremos fazer com que o espectador esqueça o visual e mergulhe no emocional da cena”, define o roteirista. Assim que fizer o público se render a esse mergulho, Mattos prevê que o filme será como uma redenção das pessoas excepcionais. “Será a vitória deles, vitória do elenco que conseguirá colocar o filme de pé. Darão seu recado sem precisar falar da síndrome. Acredito que eles darão um grande passo.”


Assistir o Trailer do filme CITY DOWN – A história de um diferente

 


Indique o filme CITY DOWN – A história de um diferente: Compartilhe CITY DOWN – A história de um diferente no Delicious Compartilhe CITY DOWN – A história de um diferente no digg Compartilhe CITY DOWN – A história de um diferente no facebook Compartilhe CITY DOWN – A história de um diferente no Google BookMarks Compartilhe CITY DOWN – A história de um diferente no MySpace Compartilhe CITY DOWN – A história de um diferente no twitter Compartilhe CITY DOWN – A história de um diferente no Windows Live Compartilhe CITY DOWN – A história de um diferente no  UEBA  



Comente o filme CITY DOWN – A história de um diferente



« »